Photo Gastão Cruz © Image: Eucanaã Ferraz
Photo Gastão Cruz © Image: Eucanaã Ferraz
Gastão Santana Franco da Cruz ,nasceu em Faro a 20 de Julho de 1941, tendo sido um crítico literário e encenador português. Licenciou-se em Filologia Germânica na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Foi professor do ensino secundário e, entre 1980 e 1986, exerceu as funções de Leitor de Português na Universidade de Londres King’s College, onde além de Língua Portuguesa, leccionou cadeiras de Poesia, Drama e Literatura Portuguesa. Como crítico literário, coordenou a revista Outubro e colaborou em vários jornais e revistas ao longo dos anos sessenta - Seara Nova, O Tempo e o Modo ou Os Cadernos do meio-dia . Ligado à actividade teatral, Gastão Cruz foi um dos fundadores do Grupo de Teatro Hoje (1976-1977), para o qual encenou .Tendo sido igualmente um dos fundadores do Grupo de Teatro de Letras em 1965.


Poesia:

  • Hematoma (1961)
  • A Doença (1963)
  • As Aves (1969)
  • Teoria da Fala (1972)
  • Campânula (1978)
  • Órgão de Luzes (1990)
  • As Leis do Caos (1990)
  • Transe (1992)
  • As Pedras Negras (1995)
  • Poemas Reunidos (1999)
  • Crateras (2000)
  • Rua de Portugal (2002)


    Poema:

    «Não cantes o meu nome em pleno dia»

    Não cantes o meu nome em pleno dia
    não movas os seus ásperos motivos
    sob a luz dolorosa sob o som
    da alegria

    Não movas o meu nome sob as tuas
    mãos molhadas do choro doutros dias
    não retenhas as sílabas caídas
    do meu nome da tua boca extinta

    Não cantes o meu nome a primavera
    já o ameaça hoje principia vida do meu nome

    não o cantes com a tua alegria


O que achei deste trabalho
  • Eu penso que este trabalho fui muito interessante, porque para além de ser didactico, fiquei a conhecer um pouco da vida e obra de um escritor, que pessoalmente não conhecia . Tendo aprendido também sobre diversos escritores através das apresentações dos meus colegas. Acho que se devia fazer mais trabalhos como este!


Trabalho realizado por: Rita Fernandes 10º D Nº 15