Pagina da responsabilidade de: João Emanuel Marques Santos Nº26 10ºC


Pedro Tamen

HERZOG

A minha desforra são palavras.
Levanto-me de manhã amarrotado
pelo peso inclemente das mentiras
e vazo no real outro real
das letras que ninguém vislumbrará.
O pássaro que canta é uma palavra,
é uma carta escrita a este, àquele,
que me saiu do lápis da amargura;
tudo se refaria se jamais feita fosse
alguma coisa que a minha mão não desse.
Desforro-me sem gosto. Desforro-me sem gasto,
acorrentado ao que me vem de trás
e ao que virá e que não sei se quero.




external image Pedro+Tamen.JPGPedro Mário Alles Tamen,
poeta e tradutor português, natural de Lisboa. Nos anos cinquenta, fundou e dirigiu o cineclube Centro Cultural de Cinema. Exerceu actividade docente no ensino secundário, tendo sido ainda director da Editora Moraes (1958-1975) e um dos administradores da Fundação Calouste Gulbenkian. Pertenceu à direcção da Associação Portuguesa de Escritores (1973-1975). Tem colaboração dispersa por jornais e revistas, como o Diário de Notícias, a Colóquio/Letras e o Expresso. Foi ainda director-adjunto da Flama.
Como poeta, esteve inicialmente ligado a tendências experimentalistas. Na sua escrita, há uma exploração das possibilidades sintácticas da linguagem, conseguindo por vezes criar efeitos de surpresa ou de uma peculiar ambiguidade. Ligado inicialmente a uma temática de raiz religiosa, o sentimento amoroso tem tido, na sua obra posterior, um lugar mais destacado. Estreou-se com Poemas Para Todos os Dias (1956), publicando ainda O Sangue, a Água e o Vinho (1958), Primeiro Livro de Lapinova (1960), Poemas a Isto (1962), Daniel na Cova dos Leões (1970), Escrito de Memória (1973), Os Quarenta e Dois Sonetos (1973), Horácio e Coriáceo (1981, Prémio D. Dinis da Fundação Casa de Mateus), Agora Estar (1984), Delfos, Opus 12 (1987), e Caracóis (1993, conjuntamente com Júlio Pomar), entre outras obras. O volume Tábua das Matérias (recolha de obras datando entre 1956 e 1991) ganhou o Grande Prémio da Crítica e o Grande Prémio de Poesia Inapa. Colaborou com o pintor Manuel Amado na exposição «Um Poeta/Um Pintor» (1994). Em 1995, publicou Depois de Ver, obra centrada sobre a apreciação de objectos artísticos. A sua produção poética foi ainda alvo de uma nova selecção, sob o título Guião de Caronte (1997). Tem, ainda, dedicado parte da sua actividade à tradução.
Em 1999, foi lançada Escrita Redita, uma antologia do poeta. Em 2000, publica Memória Indescritível e em 2001 seguiu-se Retábulo das Matérias.
Em 2001, foi um dos galardoados com o prémio literário do PEN Clube Português, com o livro Memória Indescritível



Bibliografia:

POEMA PARA TODOS OS DIAS, ed. do Autor, Lisboa, 1956 (esg.)
O SANGUE, A ÁGUA E O VINHO, Moraes ed., Lisboa, 1958 (esg.)
PRIMEIRO LIVRO DE LAPINOVA, Moraes ed., Lisboa, 1960 (esg.)
POEMAS A ISTO, Moraes ed., Lisboa, 1962 (esg.)
DANIEL NA COVA DOS LEÕES, Moraes ed., Lisboa, 1970 (esg.)
ESCRITO DE MEMÓRIA, Moraes ed., Lisboa, 1973 (esg.)
OS QUARENTA E DOIS SONETOS, Livros Horizonte, Lisboa, 1973 (esg.)
AGORA, ESTAR, Moraes ed., Lisboa, 1975 (esg.)
POESIA 1956-1978 (incl. os livros anteriores e o inédito O APARELHO CIRCULATÓRIO; prefácio de Fernando
Guimarães), Moraes ed., Lisboa, 1978.
HORÁCIO E CORIÁCEO, Moraes ed., Lisboa, 1981 (esg.) - Prémio D. Dinis.
PRINCÍPIO DE SOL, Círculo de Leitores, Lisboa, 1982.
ANTOLOGIA PROVISÓRIA, Limiar, Porto, 1983.
ALLEGRIA DEL SILENZIO (a cura di Giulia Lanciani e Ettore Finazzi Agrò), Japadre editore, Roma, 1984.
DENTRO DE MOMENTOS (com reproduções de colagens de Fernando de Azevedo), Imprensa Nacional, Lisboa, 1984.
AS PALAVRAS DA TRIBO (antologia pessoal, conjuntamente com Fernando Guimarães, Mário Cláudio e Nuno Júdice; desenhos de José de Guimarães), Quetzal-Altamira, Lisboa, 1985.
DELFOS, OPUS 12, Gota de Água, Porto, 1987.
DELPHES, OPUS 12 & AUTRES POÈMES (traduction collective, Royaumont, revue et préfacée par Patrick Quillier), Les Cahiers de Royaumont, 1990.
TÁBUA DAS MATÉRIAS, Poesia 1956-1991, Tertúlia, Sintra, 1991; reed. Círculo de Leitores, Lisboa, 1995 - Prémio da Crítica; Grande Prémio Inapa da Poesia.
CARACÓIS (com Júlio Pomar), Quetzal Editores-Cerâmicas Ratton, Lisboa, 1993.
DEPOIS DE VER, Quetzal Editores, Lisboa, 1995.
VÉR VÍZ BOR (antologia org. por Pál Ferenc), ed. Íbisz, Budapeste, 1997.
GUIÃO DE CARONTE, Quetzal Editores, Lisboa, 1997 - Prémio Nicola de Poesia.
MAÎTRE ÈS-SANGLOTS (anthologie: traduction et préface de Patrick Quillier), ed. Le Taillis Pré, Châtelineau, 1998.
ЛИРНКА [Lírica] (antologia, incluindo Dentro de Momentos, Delfos, Opus 12 e outros poemas; tradução de Georgi Mitchov e Evelina Malinova), ed. Karina M, Sofia, 1999.
ESCRITA REDITA (disco-antologia: poemas ditos por Luís Lucas), Ed. Presença-Casa Fernando Pessoa, Lisboa, 1999.
MEMÓRIA INDESCRITÍVEL, ed. Gótica, Lisboa, 2000 – Prémio Bordalo da Imprensa; Prémio do PEN Clube português.
HONEY AND POISON: SELECTED POEMS (translated by Richard Zimler), Carcanet, Manchester, 2001.
RETÁBULO DAS MATÉRIAS, Poesia 1956-2001, Gótica, Lisboa, 2001.
CARONTE Y MEMORIA (traducción de Miguel Viqueira), Huerga y Fierro, Madrid, 2002.
CARONTE E MEMORIA (prefacio de Carlos Nejar), Escrituras, São Paulo, 2004.
XAРОН И ПАМЕТТА [Caronte e Memória] (tradução de Sidonia Pojarlieva e Vera Kirkova), ed. Adrassea, Sofia, 2005.
ANALOGIA E DEDOS, Oceanos, Lisboa, 2006 - Prémio Luís Miguel Nava, Prémio Inês deCastro.



A minha opiniao sobre o autor:

Como nao encontrei muita informaçao sobre o autor so vou referir-me ao que pude ler em alguns dos seus poemas. Pelo que li do autor acho que é um autor mais introspectivo e que foca a sua poesia em momentos do quotidiano, momentos, na sua maioria, de extrema simplicidade, actuando mais como um espectador da vida ou um comentador da mesma, em alguns dos seus poemas, em outros toma mais uma parte activa e foca-se mais em si mesmo e nos seus sentimentos comparando-os com esses momentos do quotidiano que comenta nos outros poemas.
Gostei de Pedro Tamen e pude aprender mais sobre ele, confesso que quando recebi este trabalho ignorava por completo o autor e a sua obra e depois de a estudar mais profundamente e saber mais sobre a sua vida agradou-me bastante.