(Página da responsabilidade de Jéssica Ferreira, aluna nº 10 do 10ºD)


clip_image001.jpg


Natália Correia nasceu a 13 de Setembro de 1923, na Ilha de São Miguel (Açores).
Veio estudar para Lisboa ainda criança e cedo iniciou a sua actividade literária.
Poetisa, ficcionista, ensaísta, tradutora, dividiu a sua criatividade pelo teatro e pela investigação literária.
Empenhada politicamente, viu vários dos seus livros serem apreendidos pela censura, chegando a ser condenada a três anos de prisão com pena suspensa, acusada de abuso de liberdade de imprensa.Morreu em Lisboa a 16 de Março de 1993 com um ataque cardíaco.

àFoi deputada da Assembleia da República (1980-1991).
As obras de Natália de Oliveira Correia estendem-se por vários géneros literários. Desde a poesia romance, teatro e ensaio. Foi figura principal das tertúlias feitas em Lisboa que reuniam os nomes centrais da literatura portuguesa nas décadas de 1950 e 1960.
àAs suas obras estão traduzidas em várias línguas.






Prémio mais importante que recebeu (entre outros):

*(1991) -Grande prémio de Poesia da Associação Portuguesa de escritores.







Algumas das suas obras:


Sol na noite e o Luar nos dias.
Uma estátua para Herodes
Sonetos de Abril
Erros meus, má fortuna e Amor ardente
Feiticeira de Cotovia………………………….entre outras mais.



Fiz um conto para me embalar:


Fiz um conto para me embalar
Fiz com as fadas uma aliança.
A deste conto nunca contar.
Mas como ainda sou criança
Quero a mim própria embalar.


Estavam na praia três donzelas
Como três laranjas num pomar.
Nenhuma sabia para qual delas
Cantava o príncipe do mar.

Rosas fatais, as três donzelas
A mão de espuma as desfolhou.
Nenhum soube para qual delas
O príncipe do mar cantou.



Videos


http://www.youtube.com/watch?v=Jw7yn7eZhgc

http://www.youtube.com/watch?v=NzMk6bFjnfI





Comentário Pessoal **

Realizar este trabalho foi importante para mim.
Aprendi com a grande poeta/defensora feminista Natália Correia que tudo deve ser ultrapassado e que a vida é para seguir sempre em frente, e, fundamentalmente nunca ter medo mas sim, sempre, coragem!
Com ela, percebi também o quão valor tem a mulher.